Pular para o conteúdo

Vera Canhoni

Tratamento e setting analítico: ambiente e holding – Winnicott em pequenas doses

Tratamento e setting analítico: ambiente e holding – Winnicott em pequenas doses

Pautado em suas experiências clínicas D.W.Winnicott explicitou em vários e diferentes momentos de sua obra a importância do ambiente de holding no estabelecimento do setting analítico para além das interpretações em face aos conteúdos reprimidos inconscientes.

setting analítico – ambiente de holding – cuidado

Para Winnicott o tratamento psicanalítico não era exclusivamente interpretativo, mas antes de tudo a provisão de um ambiente adequado; um “ambiente de holding análogo ao cuidado materno.

cuidar curar e segurar  no contexto profissional

Em suas raízes etimológicas a palavra “cura” significa cuidado; cuidado a serviço do desenvolvimento pessoal. Ocorre que o “cuidar-curar” é uma extensão do conceito de “segurar” e, como tal, deve ser aplicado no contexto do trabalho profissional.

Desse modo, é preciso que o terapeuta seja capaz de “segurar” (conter) os conflitos do paciente e esperar por sua resolução dentro do paciente, ao invés de ansiosamente procurar por uma cura.

Portanto, quando Winnicott fala em “cuidar-curar” no contexto do tratamento psicanalítico ele pressupõe que a psicanálise não se resume a interpretar o inconsciente reprimido, é antes, o fornecimento de um contexto profissional para a confiança, no qual esse trabalho pode ocorrer.

setting analítico – interpretação –  provisão para a confiança

Como bem apontou Adam Phillips

A interpretação, como parte do setting, objetiva reconhecer e reconstruir aquilo que esteve ausente na provisão parental, ou seja, quais necessidades de desenvolvimento não foram reconhecidas.

No entanto, corre-se o risco quando a interpretação em suas formas mais excessivas deixa pouco espaço para que a análise – como o desenvolvimento pessoal – transcorra em seu próprio tempo.

Assim, estabelecer o setting analítico de modo que o paciente não sofra uma tradução autoritária – tendo seu inconsciente exposto de volta para si, em sua forma original – mas seja capacitado pelo analista “a se revelar para si mesmo” e em seu próprio tempo coloca à prática da psicanálise algo que é da ordem da provisão para a confiança e, portanto, absolutamente essencial e indispensável.

 

PHILLIPS, A. Winnicott. Trad. Alessandra Siedschlag. Aparecida, SP: Idéias & Letras: São Paulo, 2006

WINNICOTT. D.W Tudo começa em casa. Trad. Paulo Sandler, 2ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996

 

Eventos

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.