Pular para o conteúdo

Vera Canhoni

O desamparo primordial – Crônica Psicanalítica

O desamparo primordial

Permaneci absorta com seu relato.

 Dias e noites no balançar da cadeira e a tricotar intermináveis cachecóis Clara permanecia à sombra do tempo.

Desfiando o tempo em mãos irrequietas, uma permanente lamúria e súplica amarga se tecia em tons monocromáticos.

De ponto em ponto – ora verdes, vermelhos, amarelos ou azuis – seus cachecóis enlaçavam falsas estórias, cruas angústias e não aqueciam ninguém.

Quisera ter alguém com quem falar, mas perdera o fio da meada e não encontrava nada do outro; tampouco de si.

Sua solidão era absoluta.

E o vai e vem da cadeira eram tristes próteses de braços febris que não puderam embalar.

No dia seguinte encontrei Clara em minha sala de espera a tricotar.

Com voz doce e afetuosa, carregada de um tom travesso infantil, disse sem pestanejar:

– Vim sem avisar, mas posso esperar…

Com passos leves entrou na sala de análise e cuidadosamente deixou sobre a mesa a cesta com seus infindáveis novelos e agulhas.

Já no sofá, diante do meu olhar atento, serena e esperançosamente cobriu-se com a manta cor de âmbar e pôs-se a chorar.

Por meses a fio teceu sua história e pôde ser Clara…Clarinha.

 

Eventos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.