Pular para o conteúdo

Vera Canhoni

Ensaios Poéticos: Século XX – Manhã: os sinos bimbalham…

Século XX – Manhã

os sinos bimbalham…a fábrica apita…a plebe se agita

Os sinos bimbalham, a fábrica apita

O bonde não pára, não cabe ninguém

O carro correndo, não pára também

Os sinos bimbalham, a plebe se agita

As crianças correndo, quem sabe pra escola

Vão rotas, descalças, magrinhas, chorosas de frio tiritando, levando a sacola

Sem lanche, sem nada,

Percebo nas rosas que passam correndo, pra escola quem sabe

Eu vejo na plebe futura; Tristezas

É quando em meu peito tristonho não cabe

O ruído dos versos felizes; Belezas

Oh! Crianças de face rosada, corada

Oh! Tudo é mentira, mentira mais nada

Os sinos bimbalham, a plebe se agita

O bonde tocando, já a fábrica apita

O carro correndo não pára é veloz

E a plebe só diz: Deus…tem pena de nós.

Dinoê

meu pai (em memória)

http://www.veracanhoni.com/faca-psicoterapia-faca-a-diferenca-atendimentos-psicanaliticos-online-psicanalise-a-arte-de-dar-voz-ao-seu-inconsciente/

http://www.veracanhoni.com/novas-pontes-para-residentes-no-exterior-atendimentos-psicologicos-online-na-lingua-portuguesa-vera-canhoni/

http://www.veracanhoni.com/encontros-poesia-e-clinica-psicanalitica-a-escuta-poetica-do-psicanalista-vera-canhoni/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.