Pular para o conteúdo

Vera Canhoni

Tempo: ócio e experiência – Bordas do inconsciente

Tempo: ócio e experiência – Bordas do inconsciente 

Tempo: ócio e experiência

A que se deve a pressa do sujeito contemporâneo?

Não ao valor que ele atribui ao seu tempo, como costumamos pensar, e sim, ao contrário, à sua desvalorização.

Pouco se questiona a ideia de que o valor do tempo se mede pelo dinheiro.

O homem contemporâneo tem horror a tudo o que possa ser considerado “perda de tempo”, que para ele é sinônimo de perda de dinheiro.

Até mesmo o pouco tempo ocioso deve ser preenchido com alguma atividade interessante – o que torna, do ponto de vista do funcionamento psíquico, o uso de tempo livre idêntico ao do trabalho.

É evidente o sentimento de mundo vazio, ou de vida vazia, que decorre da supremacia da vivência sobre a experiência.

A suposta falta de tempo para o devaneio e outras atividades psíquicas “improdutivas” exclui exatamente aquelas que provêem um sentido (imaginário) à vida, assim como as atividades da imaginação, filhas do ócio e do abandono.

Pela mesma razão também se desvaloriza, por ser “inútil” ou “contraproducente”, a experiência do inconsciente.

A experiência perdida para nós, de viver e trabalhar em um ritmo não ordenado pela produtividade permitia que o abandono dos sujeitos à temporalidade guardasse uma proximidade grande com o tempo do sonho, embalado por outra experiência que também se perdeu: a experiência do ócio, ou do tédio vivido sem angústia, como puro tempo vazio a ser preenchido pela fantasia.

De todas as experiências subjetivas que a história deixou para trás, talvez a mais perdida, para o sujeito contemporâneo, seja o abandono da mente `a lenta passagem das horas: tempo do devaneio, do ócio prazeroso, dedicado a contar e rememorar histórias.

Maria Rita Kehl

Kehl, M.R. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.

 

Eventos

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.