Pular para o conteúdo

Vera Canhoni

Bordas do Inconsciente – Barros: rascunho, incompletude e a voz inconsciente – Vera Canhoni

Bordas do Inconsciente – Barros: rascunho, incompletude e a voz inconsciente – Vera Canhoni

 

Para a poesia: rascunhos, incompletudes e a voz do inconsciente…

 

Acho que não sou planificado. Pode ser que siga uma voz inconsciente. Cumpro meus dias de trabalho, de leituras, de anotações, de invenções de versos solteiros – tudo em meus pequenos cadernos de rascunho.

 

Chega uma hora acho que devo começar a armar os poemas. Cato os versos nos cadernos e vou fazendo as colagens. Juro que não tenho muita inocência nisso. Não procuro novos patamares.

Só quero me ser nos poemas. Sou tão endógeno que dá pena.

 

A gente é rascunho mesmo. Falta acabar. Eu sei.

 

O que enriquece o artista é a sua incompletude.

Poesia, qualquer arte, é um esforço do artista para chegar perto do divino.

 

Caminho aos trancos feito aquele mandorová que tem o apelido de midi-parmo. É um ser que vai um palmo e volta outro. E de repente vai um palmo e não volta outro.

 

Decerto ele desconfia às vezes de algum fulgor e dá pra trás. Eu tenho medo de cometer fulgor em poesia.

 

Amo a palavra magra sem verniz.

Vou sempre lesmamente apalpando: obscuramente.

 

Manoel de Barros

 

Muller, A. Manoel de Barros, Rio de Janeiro Beco do Azougue, 2010

 

http://www.veracanhoni.com/encontros-poesia-e-clinica-psicanalitica-a-escuta-poetica-do-psicanalista-vera-canhoni/

http://www.veracanhoni.com/psicanalise-atendimentos-clinicos-para-adultos-e-adolescentes-temporariamente-atendimentos-remotos

http://www.veracanhoni.com/online-supervisao-clinica-psicanalitica-vera-canhoni/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.